CASA Sri Aurobindo - Núcleo para o Livre Desenvolvimento da Consciência

A CASA Cursos Publicações Yoga Integral Biblioteca


VIII. Sankhya e Yoga (25)

O Gita também não está contente em permanecer dentro da análise Sankhya de Prakriti; pois isso abre espaço apenas para o sentido do ego e não para o múltiplo Purusha, que não é uma parte da Prakriti, mas separada dela. O Gita afirma, pelo contrário, que o Senhor, por sua natureza, se torna o Jiva. Como isso é possível, uma vez que existem apenas os vinte e quatro princípios da energia cósmica e não outros? Sim, diz o Mestre divino enfatico, essa é uma consideração perfeitamente válida para as operações aparentes da Prakriti cósmica com seus três gunas, e a relação atribuída a Purusha e Prakriti também é bastante válida e de grande utilidade para os propósitos práticos de a involução e o recolher-se. Mas esta é apenas a Prakriti inferior dos três modos, o inconsciente, o aparente; existe uma natureza superior, suprema, consciente e divina, e é isso que se tornou a alma individual, o Jiva. Na natureza inferior, cada ser aparece como o ego, no mais alto ele é o Purusha individual. Em outras palavras, a multiplicidade é parte da natureza espiritual do Uno. Esta alma individual é eu mesmo, na criação é uma manifestação parcial de mim, mamaiva ama sah, e possui todos os meus poderes; é testemunha, doador da sanção, defensor, conhecedor, senhor. Ele desce para a natureza inferior e pensa-se atado pela ação, de modo a desfrutar o ser inferior: ele pode recuar e se conhecer como o Purusha passivo livre de toda ação. Pode elevar-se acima dos três gunas e, libertado da escravidão da ação, ainda possuir ação, assim como eu, e pela adoração do Purushottama e união com ele, pode desfrutar completamente de sua natureza divina.

Sri Aurobindo, Essays on the Gita, First Series - pg. 79

* * *

Correspondências (03)

O conteúdo da consciência deve mudar, o nível da consciência deve ser elevado, a qualidade da consciência deve progredir.

As coisas são como você as descreveu porque a maioria das crianças têm sua consciência centrada no físico, que é tamásico e reluta em fazer qualquer esforço. Eles querem uma vida fácil, e apenas a excitação ou a rivalidade entre um jogo ou uma competição desperta bastante interesse neles, de modo que eles consentem em fazer um esforço. Para isso, uma paixão vital deve ser despertada para intensificar a vontade.

A ideia de progresso pertence à vontade inteligente, que está ativa apenas em pouquíssimos que estão em contato com seu ser psíquico; mais tarde, naqueles que estão mentalmente mais desenvolvidos e começam a entender a necessidade de se desenvolver e se controlar.

Eu disse que o remédio é elevar a consciência a um nível mais alto. Mas, naturalmente, é preciso começar com o nível de consciência dos capitães e instrutores.

Antes de tudo, eles devem ter uma concepção clara do que querem obter daqueles por quem são responsáveis; e não apenas isso, mas eles também deveriam ter realizado em si mesmos as qualidades que eles exigem dos outros. Além dessas qualidades, elas deveriam ter desenvolvido em seu caráter e ação muita paciência, perseverança, gentileza, compreensão e imparcialidade. Eles não devem ter gostos ou desgostos, nem atrações ou repulsões.

É por isso que o novo grupo de capitães deve ser realmente um grupo de elite para dar um bom exemplo aos alunos e alunos, se quisermos que eles, por sua vez, adotem a verdadeira atitude.

Por isso, digo a todos: preparem-se para trabalhar com sinceridade e, mais cedo ou mais tarde, os obstáculos serão superados.

5 de julho de 1961.

A Mãe, On Education, pg. 353

▪ CASA Sri Aurobindo - Rua Senhora das Graças, 16 sala 110 - Cruzeiro ▪ Belo Horizonte - MG ▪

Início | A CASA | Cursos | Publicações | Yoga Integral | Biblioteca

casa_sri_aurobindo@yahoo.com.br
CASA Sri Aurobindo © 1996 - 2016